Perfil Profissional

José Luiz PrettoCatarinense, nascido na cidade de Chapecó, José Luiz Bernardon Pretto, começou a cursar Odontologia na Universidade de Passo Fundo em 1997. Durante a sua graduação teve uma forte influência da especialidade de Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial, através dos estágios extracurriculares que frequentou, no período de cinco anos da sua graduação.

No mesmo ano que iniciou a sua atividade profissional, ingressou o seu primeiro estágio em diagnóstico e tratamento das deformidades de face, em um serviço especializado nessa área, na cidade de Porto Alegre no estado do Rio Grande do Sul. Após o término desse estágio, realizou um concurso público onde foi aprovado para o ingresso no programa de pós-graduação de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, na cidade de Porto Alegre.

Durante o programa do curso, que lhe exigia dedicação exclusiva, afastou-se de Chapecó e retornou, em 2005, para efetivamente iniciar a sua carreira profissional nesta especialidade. Neste mesmo ano, iniciou a sua carreira acadêmica como Professor adjunto das disciplinas de Cirurgia Bucal, Traumatologia e Semiologia na Faculdade de Odontologia da Universidade de Passo Fundo, onde desenvolveu trabalhos de pesquisa que lhe renderam algumas publicações em conceituadas revistas científicas. Desde então, seguiu a sua carreira docente e atualmente ocupa o cargo de Professor Adjunto do Curso de Odontologia da UNOCHAPECÓ (Universidade Comunitária da Região de Chapecó) além de ser Professor convidado de programas de pós-graduação em outras duas instituições.

No seu caminho profissional, vem construindo uma carreira pautada na ética, buscando proporcionar aos seus pacientes tratamentos que satisfaçam os seus anseios e proporcionem um resultado estável. Possui experiência na área de Odontotologia com ênfase em Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial e Implantes Dentários. Acreditando na necessidade do constante aprimoramento técnico-científico, anualmente participa de congressos no Brasil e no exterior com o objetivo de oferecer, em sua prática diária a excelência, tanto nos resultados, como no cuidado e respeito aos pacientes.

O hábito de sucção da chupeta é prejudicial?

Como muitos pais você deve interessar-se a respeito do hábito de sucção da chupeta pelo seu filho, pois o uso indiscriminado pode ser nocivo. Mas então qual a idade correta para remover a chupeta? Quais as conseqüências caso você não consiga remover no período correto? Essas dentre outras perguntas são fundamentais serem respondidas para que possamos saber os verdadeiros perigos do uso indiscriminado do bico.

A sucção é um dos reflexos naturais infantis e ele inicia enquanto o bebê se encontra dentro do útero materno. Este é um hábito que proporciona à criança a sensação de felicidade e segurança principalmente durante os períodos difíceis, como por exemplo, quando são separados dos seus pais, estão em ambientes estranhos ou ainda em situações que não são familiares a eles. O relaxamento produzido pelo uso é evidente e auxilia na indução do sono. Por essa razão é que a sua utilização será mais requisitada quando a criança está cansada ou nas primeiras horas da noite.
Todos os benefícios psicológicos se contrapõem aos problemas do uso prolongado da chupeta. Alterações no alinhamento dos dentes, no desenvolvimento da cavidade bucal e até mesmo no aleitamento materno. Modificações importantes na mordida (oclusão) como: mordida cruzada posterior e aberta anterior, estreitamento dos arcos dentários, alteração do crescimento do palato (céu da boca), dentes superiores e anteriores projetados para frente e alterações nos padrões respiratórios são alguns exemplos. Estudos comprovam ainda, que a utilização da chupeta afeta diretamente o período necessário do aleitamento materno. Pois, a sucção da mama durante esse período satisfaz a criança sem haver a necessidade de complementação com a chupeta. Caso isso seja necessário, o tempo do ato de mamar poderá diminuir implicando na alteração do desenvolvimento do padrão muscular da cavidade bucal.
O uso racional da chupeta estabelece algumas regras como: não pendurá-la nas roupas, não adicionar mel, açúcar ou qualquer outra substância doce. O seu uso deve ser em momentos de estresse e para dormir, porém após a criança adormecer devemos removê-la. A medida que a criança vai amadurecendo outras situações vão aparecendo ao seu redor que provoca o natural desinteresse pelo bico. O momento ideal da remoção é entre os 02 e 04 anos quando a criança necessitará de outros hábitos como mastigação e sorção (tomar líquidos) para o desenvolvimento muscular desse estágio. Bem como qualquer alteração estrutural advinda do uso, com o crescimento acabam desaparecendo. Com relação ao tipo a indicada é a chupeta ortodôntica, pois se adapta perfeitamente a cavidade bucal da criança e o material deve ser o silicone que é mais higiênico.

Algumas dicas para desestimular como furar a chupeta, estabelecer horários e locais de utilização, promover o convívio social com outras crianças, não dispor de mais de uma chupeta, auxiliarão nessa etapa de remoção. Para tal não utilize de punições e promessas, mas o faça com diálogo e exemplificações.

Todos esses cuidados devem ser observados, na utilização da chupeta, para que esse hábito não se torne deletério e provoque mais problemas aos pais e as crianças do que satisfação.